Autor: Viva Bem - 28/05/2018 10h03

Condromalácia patelar: entenda a dorzinha “chata” que aparece no joelho


A condromalácia patetar também conhecida como síndrome da dor patelofemoral, é definida como urna dor anterior efou retropatelar em decorrência das alterações estruturais ou blomecânicas dessa articulação tendo a condromalácia patelar a maior ocorrência entre os casos dessa síndrome.

Ocorre um amolecimento e enrugamento da cartilagem da pateia, podendo causar edema, dor e sensação de rilhamento (ruído áspero ao atrito) embaixo da pateia e está associado ã fraqueza muscular .

Essa disfunção afeta mais frequentemente atletas, principalmente corredores de rua e Indivíduos sedentários do sexo feminino. A condromalácia pateia (pode ser causada por uma desigualdade entre forças dos músculos do quadríceps mais precisamente entre o vasto medial e o vasto lateral, onde ocorre um estresse mecânico devido às anormalidades no padrão de movimento dessa articulação favorecendo para o amolecimento da cartilagem articular do joelho. Estudos mostram que a atividade física é um dos tratamentos recomendados para pessoas diagnosticadas com condromalácia patelar.

Esta patologia é classificada em quatro níveis:

1. Grau I: amolecimento da cartilagem e edemas.

2 Grau II: fragmentação da cartilagem ou rachaduras com diâmetro inferior a 1.3 cm de diâmetro.

3. Grau III: fragmentação ou rachaduras com diâmetro superior a 1,3 em de diâmetro.

4. Grau IV: erosão ou perda total da cartilagem da articulação em questão, com exposição do osso subcondral.

Entre as causas da condromalácia estão:

• Encurtamento do mecanismo extensor o mecanismo extensor composto pelos músculos senitendinoso e semimembranoso e pelo bíceps femoral. Os guias, quando se apresentam em tensão devido ao seu uso excessivo, diminuem de comprimento, tracionando o osso ilíaco que causa um estiramento do quadríceps, que por sua vez [racionará a pateia. Enquanto a pateta está sendo [racionada, na pateia superior o tendão patelar sofre uma tração na parte inferior em consequência de duas forças de mesma intensidade, mas em sentidos opostos, comprimindo a pateia sob o encaixe do fémur.

• Alterações do ângulo: o aumento do ângulo Q do joelho ¡formado pelo tendão proximal do quadríceps e ligamento patelar) leva a um desvio latem da pateta. Os valores do ângulo O considerados normais são de 12 graus para os homens e de 15 graus para mulheres. Ângulos superiores a 20 graus geram certa anormalidade da articulação pateio-femoral.

• Entorse do joelho por inversão: o entorse gerada por maceramentos como flexão plantar, supinação e adução vão gerar uma amerionzação do tálos e da tíbia que, por consequência, anteriorizam a fíbula. estirando a musculatura anterior da coxa e aumentando o contato fêmur-patelar.

• Enfraquecimento do vasto medial obliquo: o vasto medial obliquo é um dos principais estabilizadores patelares e qualquer alteração ou enfraquecimento deste músculo pode levar a um desequilíbrio entre ele e o vasto lateral causando assim urna subluxação da pateia e uma futura condromalácia patelar.

• Alterações ilíacas: um excesso na hiperextensão do joelho faz com que ocorra maior tensão sobre os elementos do platô fibroso posterior distendendo os ligamentos colaterais e cruzado posterior, produzindo ainda sobre a pateia uma tendência de deslocamento lateral causado pelo posicionamento do ligamento quadriciptal (FALL. 2000; KAPANDJI, 2000). O ilíaco em anterioridade pode causar ainda tensão dos músculos isquiotibias que irá gerar dor na articulação tíao-fibular superior e na face externa do joelho.

Quais os sintomas mais comuns?

• Dor no joelho lesado ao correr. subir e descer escadas, levantar da cadeira.

• Dor em vaus da pateia do joelho lesado, especialmente ao dobrar a perna.

• Ardência ao ficar muito tempo com a perna dobrada.

• Sensação de estalos no joelho ou crepitação (sensação de areia dentro do joelho).

• Edema no joelho lesado.

O tratamento:

• Analgésicos e Anti-Inflamatórios (prescritos pelo médico).

Fisioterapia paia melhora da dor (aplicação de aparelhos com fim analgésicos cano TENS o famoso 'choquinhde e melhora da inflamação (aplicação terapêutica de Ultra Som).

• Exercícios de alongamento muscular da cadeia fleme, que fica na parte posterior da coxa (Músculo Isquiotibiais), fortalecimento muscular da cadeia extensora da parte anterior da coxa (Músculo CuadrIceps), alongamento da musculatura anterior da coxa em caso de seu encurtamento (Quadríceps) para melhorar função do joelho e posicionamento da pateia.

Avaliação postura!, principalmente do quadril, joelhos e pés.

Treinar a marcha (caminhar) com o acompanhamento de um fisioterapeuta e educador físico especializado e treino de equilíbrio.


• Casos mais graves são indicativos de cirurgia.

Exercícios:

O treinamento em cadeia cinética fechada, de acordo com Elenbecker (2002), promove urna melhor co-contração muscular, podendo gerar um aumento na ativação dos mecanorreceptores da articulação, melhorando assim a propriocepção articular e consequentemente melhorando o mecanismo de controle neuromuscular coordenado necessário para a estabilidade da articulação.
Outra vantagem importante desses exercidos é a produção de movimentos funcionais dos membros inferiores por meio de contrações concêntricas e excêntricas dos músculos envolvidos nos movimentos das articulações do quadril. do joelho e do tornozelo.

Mas para que nós, Profissionais de Educação Física, possamos prescrever um treinamento para pessoas com essa síndrome necessitamos de um trabalho multidicipfinar com seu Fisioterapeuta e Médico alinhando o grau de sua condromalacia e nível de dor para que a atividade física auxilie na recuperação e qualidade de vida e possa desempenhar seus exercícios da melhor maneira possível.
Voltando para área do treinamento através de estudos os exercícios de cadeia cinética fechada continuam sendo um dos melhores recursos para auxiliar no tratamento da condromalácia nas fases finais dos protocolos de reabilitação fortalecimento e propdocepção da articulação e musculatura envolvidas do joelho.


Caso tenha dores na região dos joelhos consulte um médico oaopedista para que ele possa diagnosticar a causa e um trabalho individualizado possa ser realizado para melhora da patologia.

Dicas para condromalácia Grau 1 e 2:

Você pode sim praticar exercícios de musculação, pois eles ajudam no fortalecimento da musculatura. Porém, é necessário um acompanhamento de um fisioterapeuta ou educador físico especializado, que coloque cargas leves, respeitando o limite da sua dor.


Se a dor fcr muito forte e impedir que realize musculacão, treinamentos de natação e pilares são Vimos para ajudar no tratamento.

Já a condromalácia 3 ou 4 deve ser acompanhada com um médico e um fisioterapeuta.


Para prevenção:

• Manter boa postura.

• Manter o peso ideal de acordo com a sua altura.

• Não extrapolar em exercícios de impacto como corridas e saltos principalmente quem sente já algum tipo de dor.

• Não exceder no uso de salto alto.

• Praticar musculação, pilates ou natação para manter a musculatura alongada e fortalecida.

*Colaboração Dr. Pedro Sasald.

Referências:

- ELLEMBECKER T.S. Reabilitação dos ligamentos do joelha São Paulo: Mande. 2002
- BUSQUEI: 1. As cadeias musculares. Belo Horizonte: Busquei. 2001.
- MAU, S. J. Biomecánica Básica. Sed. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan. 2000.
- KAPANDJI. I. A Fisiologia Articular. Pio de Janeiro (RJ) Guanabara Kooçan. 2000.



NOTÍCIAS RELACIONADAS



Publicidade